Avançar para o conteúdo

Paris é uma festa

Paris é uma festa é uma autobiografia de Ernest Hemingway que apresenta sua vida como um jovem escritor em Paris durante os anos 1920. A obra se destaca por ser menos sobre Hemingway, o lendário autor, e mais sobre Hemingway, o jovem aspirante a escritor, que vivia com poucos recursos em uma Paris vibrante, cheia de artistas e escritores.

livro paris é uma festa
4.6/5

Sinopse:

Dando continuidade à renovação da identidade visual das obras de Ernest Hemingway, a Bertrand Brasil relança Paris é uma festa, clássico póstumo do autor, com tradução e orelha assinada por Ênio Silveira.   Ernest Hemingway foi sempre contrário ao sentimentalismo. Seus contos e romances mostram o homem em busca de si próprio, descobrindo-se nos momentos de dor, perigo ou derrota. Nenhum idealismo diante da vida: ela deve ser enfrentada como um desafio, e vencida sem arrogância ou perdida sem lamúrias. 

Paris é uma festa mostra-nos um Hemingway diferente, o escritor e o homem fazendo uma viagem sentimental à década de 1920, quando o mundo se abria diante dele e seus companheiros eram a gente anônima das ruas e gente famosa como Gertrude Stein, James Joyce, Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald. A cidade e esses “companheiros de viagem” deram-lhe nova dimensão do humano e maior sensibilidade para alcançar os seus dois objetivos primordiais na vida: ser um bom escritor e viver em absoluta fidelidade consigo próprio.

Há, em Paris é uma festa, momentos de suave melancolia, alternados com outros de cortante, quase selvagem crueldade.   De Paris, seus perfumes, seus encantos, de si mesmo, de seus amigos e inimigos, Hemingway nos deixou, neste livro póstumo, uma série de vinhetas inesquecíveis, escritas com amor e ironia, com humor e saudade.   

“Paris é uma festa mostra-nos o escritor no momento em que está, por assim dizer, fechando o círculo de sua atividade intelectual. Foi em Paris, essa festa móvel que se carrega no coração, que ele abriu as asas. E foi depois de ter escrito estas evocações de Paris, repletas de terna candura, quando recapturou, durante algum tempo, a felicidade perdida, o gosto da descoberta e da invenção, que Hemingway se despediu de nós.” – Ênio Silveira”

Sua próxima leitura favorita pode estar entre estas recomendações

As velas ardem até ao fim

Sándor Márai (Autor)

livro as velas ardem até o fim

O meu amigo pintor

Lygia Bojunga (Autor)

o meu amigo pintor pdf

Primeiras Estórias

João Guimarães Rosa (Autor)

PRIMEIRAS ESTÓRIAS PDF