Avançar para o conteúdo
5/5

 

Sinopse

“Antes de sua pesquisa, esse assunto era visto como uma superstição boba. Gigerenzer consegue mostrar como funciona a intuição e como as pessoas podem se aproveitar dela.”The New York Times O poder da intuição explica como fazemos nossas escolhas e julgamentos baseados em nossos instintos. O professor e psicólogo Gerd Gigerenzer mostra de onde vem a nossa intuição e o papel que esta pode ter em decisões que vão desde uma escolha profissional pessoa que se deseja conhecer. Gigerenzer fez uma profunda investigação sobre a intuição humana, especialmente no que diz respeito à atitude que tomamos quando estamos diante de um dilema. Diversos fatores (naturais e sociais) que influenciam o funcionamento mental foram explorados por meio de exemplos de casos reais e de analogias sobre o funcionamento da natureza (como as escolhas das formigas pelos caminhos mais apropriados pra construir o próprio habitat) para mostrar o que é a intuição: um pensamento rápido que chega instantaneamente à consciência. “A pessoa não costuma saber por que tem aquela sensação, mas a intuição é forte o suficiente para fazer um individuo agir quando a sente. Minha pesquisa indica que a intuição é baseada em regras simples de serem seguidas e não pode ser calculada.”O estudo que foi a principal inspiração para o best seller Blink, de Malcolm Gladwell, nos conduz passo a passo pela ciência das melhores decisões e ensina que o segredo não é absorver informações, mas descartá-las, descobrindo, intuitivamente, quais são desnecessárias. Gigerenzer mostra como temos aperfeiçoado nosso conhecimento cognitivo, emocional e social ao longo da história. Esse conhecimento consiste em métodos empíricos que, livres da rigidez dos dogmas da lógica, têm se desenvolvido de acordo com a evolução humana. A inteligência social, por exemplo, remete a poderosas experiências, como confiança, decepção, identificação, interpretação, desejos e cooperação. Transformações políticas e sociais, positivas ou não, frequentemente se originam desses fatores, e não de pensamentos lógicos. Um indivíduo que busca tomar a melhor decisão e comete um erro sob a perspectiva racional pode demonstrar uma elevada inteligência cognitiva.

Veja também